16° edição do Guia de Eletrônicos Verdes do Greenpeace

Posted on 17/01/2011

0



Será que estamos caminhando para um colapso ambiental? Hoje temos vários indícios de que algo está errado com o planeta. Doenças como o câncer, por exemplo, se tornam mais corriqueiras, problemas respiratórios são constantes em pessoas que vivem em grandes cidades, sem contar as inúmeras catástrofes climáticas que assolaram o mundo nos últimos tempos.

Será que tudo isso é apenas uma grande coincidência? Sendo a resposta sim ou não, é bom tomarmos cuidado com o nosso futuro.  Você já viu aqui no Blog3 como se dá o processo de produção, transporte, consumo e descarte de bens de consumo no post sobre “A História das Coisas” e há coisas erradas neste ciclo.

Eletrônicos Verdes

Cuidar do nosso planeta não significa pensar apenas como descartar os bens que consumimos todos os dias, mas sim, pensar sobre o impacto deles antes mesmo de chegarem até você. Este é um dos objetivos do Greenpeace ao elaborar a “O Guia de Eletrônicos Verdes”, um ranking de classificação de grandes empresas fabricantes de eletrônicos.

A cada três meses, o Greenpeace atualiza a lista e mostra quais empresas têm sido transparentes com a comunidade na hora de divulgar informações sobre seus processos de fabricação. A partir de informações fornecidas pelas empresas em seus sites, o Guia do Greenpeace é desenvolvido. Hoje, na 16° edição, é possível  ver que muitas coisas boas e ruins aconteceram.

Os participantes

A 16° edição do guia conta com a participação de 18 empresas e apresenta quais melhoram quesitos ecológicos na produção de produtos e quais retrocederam no campo das práticas ecologicamente corretas.

O mais verdes

Na 1° posição está a Nokia, uma das empresas mais comprometidas com o ambiente na produção de bens, segundo o Greenpeace. A Sony Ericsson conquistou o 2° lugar no ranking, pois é uma das melhores empresas no critério de uso de elementos químicos. Já em terceiro lugar, ficou a Philips. Ao lançar eletrônicos que consomem menos energia e remover de sua produção os retardadores de Brometo, elementos altamente poluentes, a empresa mostra seu comprometimento com o ambiente.

Os menos verdes

As empresas com menor pontuação no ranking do Greenpeace continuam basicamente as mesmas da edição anterior. A Nintendo continua na última posição, pois não se comprometeu a remover elementos altamente poluentes de sua linha produção, além de não fornecer informações à comunidade sobre suas práticas ambientais (se é que elas existem). A Microsoft e Toshiba também ficaram entre as últimas colocadas, pois mantém produtos com substâncias muito prejudiciais ao ambiente.

Para conhecer todos os critérios do Greenpeace e os motivos das colocações de cada empresa, acesse o relatório completo ou leia o resumo de cada empresa no site da organização.

Você já sabe

Falar sobre preservação do meio ambiente pode parecer “chover no molhado”, mas uma coisa que precisa ser levada em consideração é que as empresas ganham dinheiro removendo materiais de nosso planeta. Nosso papel como consumidores, é cobrar investimento em pesquisas para fazer as mesmas coisas, mas utilizar de forma consciente os materiais e poluir o mínimo possível a Terra. Isso é possível, mas é necessário ter vontade para mudar.